sexta-feira, 29 de maio de 2009

Mais do mesmo

Mesmo com:

367km - Lisboa - Braga
533km - Lisboa - Bragança

388km - Portalegre - Braga
508km - Portalegre - Bragança

Eu e as minhas amigas estudamos juntas.

E viva o msn, os e-mails, os telemóveis...

Já viram se ainda dependêssemos do correio normal?! Não chegava a tempo para saber todas as novidades e para esclarecer as minhas dúvidas...

Principalmente as existenciais....

Nota - Eu adoro receber cartas e tenho saudades daquela expectativa de: será que chega hoje? Ou será amanha? Mas tenho de admitir que, a era tecnológica, me seduz muito mais.

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Começo a desconfiar...

Que me estou a tornar numa chata!!!!

Troca de SMS:

Eu - "Estou tão cansada..."
F. - "Também eu! E ainda tenho duas máquinas de roupa para passar"

Eu - "E eu matéria e mais matéria para estudar!"

Quem é que me vem salvar?! Acho que estou a alucinar!!

A minha inspiração...

Anda aprisionada ao estudo.

Quando puder voltar a respirar, deixo-a voar livre e sem rédeas.


quarta-feira, 27 de maio de 2009

Com o calor que faz lá fora...

E cá dentro....

Só me apetece fazer como elas.



Mergulhar e não me preocupar com mais nada.

terça-feira, 26 de maio de 2009

Lembram-se?

Alguém se lembra?

Foram quase 500km (ida e volta), no curto espaço de cinco horas.
Os nossos corpos ainda se ressentem, estamos com os sonos meios trocados, mas posso garantir: Valeu bem a pena!!!

A expressão de surpresa.
O brilho no olhar.
Aquele abraço (cheio de energia e pura felicidade).
O sorriso.

Trinta minutos de conversa.
Um pequeno grupo em nosso redor.
Rimos... Conversámos... Deixámos três pessoas muito felizes e meio "abananadas" pela surpresa.

Nunca mais vou esquecer aquele: "Oh L.!!! Eu não acredito!!!", enquanto me abraçava verdadeiramente feliz e emocionado.

Embora não goste dela.
Embora pense que podias arranjar melhor, muito melhor.
L. desejo-te muita felicidade e amor.

E sei que apesar de tudo, poderei sempre contar contigo, como contas comigo.

sábado, 23 de maio de 2009

sexta-feira, 22 de maio de 2009

Saudade



Foram três anos maravilhosos.

Amigas... Sinto tanto a vossa falta!!!

Maldita ou Bendita?!

Nem sei por onde começar. Ainda estou a recuperar.

A que me refiro?! Tensão arterial.

Na minha família há mais historial de tensão alta do que baixa. Pois bem, eu tinha de ser o contrário, sofro de Hipotensão.

Ando demasiado cansada, o que no meu caso só piora os episódios, e além do mais nem sempre consigo distinguir os sinais: O sono repentino, nem sempre é sinal de baixa de tensão.

Não sei como consegui não cair redonda no chão. Só queria dormir, deixar-me ir. Queria coisas frias (estava a suar por todos os lados), sentia-me muito angustiada, quase em pânico, tinha dificuldade em respirar...

Bastou um pedacinho de carne, mais salgado, para me fazer voltar a mim (ao menos uma coisa boa, foi na hora de almoço).

Agora sinto-me de rastos, ainda mais do que já estava. A cabeça feita em água...

DETESTO isto...

quinta-feira, 21 de maio de 2009

Coisas de que (não) gosto...

Se há coisa que eu, sinceramente, não gosto muito é de ir ao supermercado às compras.

Bem vistas as coisas eu não gosto de ir às compras em geral. Se calhar, no que diz respeito às compras de roupa para mim, por exemplo, ainda não encontrei a TAL loja e a TAL companhia que me aconselhe e ajude na hora da compra propriamente dita.

Depois, ainda não aderi às compras online porque tenho receio que não me tragam as coisas como gosto: a fruta, nem muito verde nem muito madura; a carne com pouca gordura; o fiambre sem aquelas gorduraças no meio...

Mas principalmente sufoca-me ir aos hipermercados da grande Lisboa. Porquê? (perguntam vocês) Porque são enormes e demoro o dobro do tempo a encontrar as coisas.

Por fim, detesto estar na fila da caixa para pagar, e ainda chegar a casa carregada de sacos, mais o portátil, o saco do almoço, a mala, as chaves do carro e de casa, o óculos de sol...

E só de pensar que hoje me espera essa belíssima e maravilhosa tarefa...

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Ser Jurista

É muito mais do que saber interpretar as leis.
É muito mais do que saber lidar com as pessoas, os seus problemas materiais e emocionais.
É muito mais do que saber lidar com as instituições publicas e respectivos funcionários.

Muitas das vezes, ser Jurista, é ter uma veia "poética", filosófica, psicológica, paternal...

E acreditem, que quando nos falta a inspiração... Todo o nosso trabalho se torna muito mais complicado.

Hoje já escrevi e apaguei centenas de vezes um texto.
Hoje já li e reli a Lei... li e reli apontamentos...

Inspiração querida?! Para onde fugiste tu?!

Volta sim... Preciso tanto de ti.


Eu confesso: prefiro ter o pensamento a mil à hora, com trabalho, coisas para escrever no blog, o que quero fazer quando chegar a casa, o ter de telefonar aquela e à outra amiga, o querer fotografar isto e aquilo, o querer fazer aquele petisco só pelo prazer que cozinhar me dá, do que este vazio que hoje me povoa!!!

*suspiro*

Uma Pergunta...

Será que alguém tem a amabilidade de me explicar porque é que as pessoas quando vão à WC não baixam a tampa da sanita? Ou seja, porque é que não fecham a dita cuja?

Já é vulgar ouvirmos a expressão "Não te esqueças de levantar a tampa", dirigida aos Jovens/Homens.

Será preciso começar a dizer "Não te esqueças de baixar a tampa"?!

É só a mim que me faz confusão?

domingo, 17 de maio de 2009

Hoje...

Que se comemora 50 anos do Cristo Rei, lembrei-me de ir ao meu caderno recuperar um post que escrevi há duas ou três semanas.

Parada no trânsito puxo o travão de mão. Recosto-me no assento e observo o rio à minha direita, com a sua cor cinza-prata.

Lisboa, ao fundo do lado esquerdo, linda com ou sem sol. A cidade onde, sempre disse, nunca iria viver ou trabalhar, agora acolhe-me. Aos poucos vou tornando-me mais sua, dando-me a conhece os seus recantos e encantos.

Sem me aperceber tenho lágrimas a rolarem-me pelo rosto.

Detesto dias como os de hoje. Em que não produzo, em que olho para os papéis, mexo e remexo nas coisas... Em que pesquiso... Em que o meu cérebro não colabora.

Dias como este, onde me vejo presa... onde a vontade de sair porta fora é mais que muita. Não o faço por um sentido de responsabilidade, que muitos criticam e censuram.

Eu dei a minha palavra.
Aceitei as regras.
Estou a lutar por um futuro. O MEU futuro.
Custa-me sentir que algumas pessoas à minha volta não percebem este sentimento que carrego dentro de mim.

Aceitei um compromisso e vou cumpri-lo até ao fim. Dou mais do que me pedem, mas gosto da recompensa. Aprender... Tenho sede de aprender.

Também sei, que em dias como este, seria muito melhor agarrar no carro e dirigir-me até ao rio. Sentar-me a observa-lo.
Absorver a sua energia, paz e tranquilidade.

Agarrar no trabalho e faze-lo numa esplanada ou mesmo em casa, depois de descansar e me distrair com algo...

Levanto o olhar do rio. A paisagem toda cinza. Perco-me na sua beleza, na sua imensidão. O meu coração acalma, a minha mente desanuvia, o meu sorriso surge, quando...

O Cristo Rei sobressai daqueles tons tristes e melancólicos, iluminado por um raio de sol, tornando-se ainda mais majestoso.

sexta-feira, 15 de maio de 2009

Coisas de que gosto...



Gosto de chegar cedo a casa, para poder ter o sol a entrar-me pela janela.
Sinto-me cansada de chegar tarde e mal poder apreciar a tranquilidade e a harmonia que a luz do sol proporciona.



E soube-me tão bem abrir o cortinado, deitar-me em cima da cama, fechar os olhos e deixar que o sol aquecesse o meu corpo e ajudasse a esvaziar a mente.

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Foi há dois anos...



As fitas pintadas pela minha mãe, que dei às minhas Amigas (tenho tantas saudades vossas).



A minha pasta... Sei que tinha mais de 50 fitas. Fui a Finalista com mais fitas e todos queriam ver as pinturas, não habituais na minha faculdade, mas na minha terra.





Estas fotos enganam. O dia foi muito chuvoso. Apanhámos com cada molha!!!
Fartei-me de chorar: Um sonho tornado realidade e ver o orgulho nos olhos dos meus pais encheu-me o coração.



Estava exausta, mas não podia faltar à minha última noite de tunas enquanto estudante.

Já lá vão dois anos. Sinto falta da cidade, mas principalmente das amigas com quem não estou há dois anos.

Nota: nenhuma das fotos foram tiradas por mim (como podem perceber) mas foi um dia muito importante e quis partilhar convosco.

segunda-feira, 11 de maio de 2009

Alguém se lembra?!

Estava na floresta
o cuco a cantar.
Por trás duma giesta,
nós fomos escutar:
cu-cu, cu-cu, cu-cu,
cu-cu, cu-cu! (bis)



Enquanto caminhava pelo campo e tirava esta foto, um cuco começou a cantar.
É muito pontual: todos os dias das 17h00 às 19h00 dá o ar da sua graça.
E quando o ouvi lembrei-me dessa música.

Mais alguém se lembra?

Desafio

Em consequência de fazer muitos km sozinha, distâncias longas ou curtas, a grande maioria dos km que faço tenho por única companhia o rádio; adoptei técnicas para me distrair e me concentrar ao mesmo tempo. Uma delas é: decorar matriculas.

Qual a minha técnica?! Dou nomes aos carros consoante as letras das matriculas.

É uma animação, principalmente se vou com a minha irmã ao lado.

E qual é o meu desafio?

Pois bem: Desafio a Mamã Diana, a Ana Luísa, a Ana C., o Miguel, a Caleidoscópio e o Ricardo para:
1 - Fotografarem, apenas, as letras da matricula dos seus carros;
2 - Darem um nome a ele, consoante as letras (de preferência um só nome onde conjuguem as duas letras e a primeira palavra que vos vier à mente).
3 - Passarem a 6 pessoas diferentes.



E como eu desafio, também respondo.

BJ - Qual é a primeira palavras que vos vem à mente?! Pois claro! O meu carro é o Beijinho :D

(Sim... Esses mosquitos todos é o fruto das viagens, mas acreditem a matricula de trás estava cheia de pó, a foto ficava pior!!)

Será que vão todos alinhar neste meu desvario?!

Cada vez...

Que falo com as minhas amigas da faculdade... Incondicionalmente, falo à NUORTE CARAGO!!!

Mas, cada vez que venho de fim de semana... Invariavelmente, arrasto as silabas, falo cantando e utilizo o gerundio mais do que o normal!!!!

(ai eu e os sotaques!!)

Bom diaaaa cumpadreees!

quinta-feira, 7 de maio de 2009

Pedido

Eu sei que tenho leitores silenciosos e não reclamo por isso. Fico contente por ter quem me siga, quem perca alguns minutos a ler o que escrevo, mesmo em silencio.
Acontece que quando me linkam num blog e me visitam traves desse link, o meu contador "informa-me".

Assim gostava de pedir ao/à autor/autora do blog http://www-whenever-wherever-whatever.blogspot.com/ autorização para dar uma espreitadela. Eu sou curiosa em relação aos meus leitores.

Não precisa comentar. Pode mandar e-mail para o contacto que está ali no lado direito.

Será possivel? É que tendo o blog privatizado não consigo visitar esse cantinho.

Obrigado.

Hoje...

Hoje... Depois de ter visto a minha vida por um fio. (Que Deus a abençoe e proteja, como me protegeu a mim hoje quando fez aquela asneira brutal e quase mortal).

Hoje... Que vi, no rosto de um desconhecido (senhor no altos dos seus cinquenta e poucos anos) a preocupação genuína por mim.

Hoje... Depois de me ter apercebido que tudo podia acabar numa fracção de segundos tenho de dizer a todo o mundo: Tenho amigos preciosos (alguns que mesmo não me conhecendo pessoalmente, sei que são mais sinceros que muitos dos que cresceram comigo), amigos excelentes que me fazem sorrir e me tornam os dias mais fáceis.

Hoje... Depois de ler o post da Lua (que tanto me fez pensar).

Hoje... Mostro-me sem reservas nem subterfúgios.



Sou eu. As minhas bochechinhas inconfundíveis... O meu sorriso aberto... Os meus olhos, demasiado transparentes.

Hoje e agora, agradeço a Deus por estar VIVA, por ter amigos e até desconhecidos que se preocupam comigo.

Hoje reafirmo que não tenho medo da morte, mas tenho medo do que a minha morte "prematura" possa causar nos que me rodeiam, principalmente, na minha familia mais directa.

Nota - A foto está tremida (a minha irmã desequilibrou-se), mas essa sou eu... sem sorrisos forçados nem poses. Fui apanhada desprevenida.

Desculpem o desabafo... O susto foi muito grande!

quarta-feira, 6 de maio de 2009

Hoje

Precisava voltar a sentar-me no muro e ter diante de mim este mar...



Que me encheu as medidas da alma com: paz, tranquilida, energia e força!

Os dias são longos...

Mas passam por mim como uma águia no voo rasante, sob a sua presa.
Surpreendo-me quando olho para o relógio e vejo que já passaram vinte minutos da minha hora de almoço e eu ainda estou a trabalhar!
Fico em "choque" porque me deparo com as belissimas 22h30 quando me sento para estudar!

Há altos e baixos. Sorrisos e lágrimas.Vitórias e derrotas.
Queixo-me se não tenho nada para fazer. Queixo-me se não tenho mãos a medir para tanta coisa sobre mim.

Eu sei... Eu sinto, bem cá dentro de mim, que toda esta minha instabilidade provém de algo no meu organismo. Algo que não está bem. Sei que não é do foro psicológico, porque me sinto bem a esse nível... Falta-me a peça do puzzle para perceber o que se passa, para identificar e relacionar as várias alterações que tenho sentido nos últimos tempos.

Não escondo. Estou preocupada e apreensiva.
Vou ao médico ainda este mês.

2004... 2006... 2008...

Já chega!!! Por favor!!! Já chega!!!

Sento-me no parapeito da janela. Observo o vai e vem das pessoas. Fecho os olhos, imagino o rio e tento que a paz me inunde. Não quero pensar... Não o posso fazer!

terça-feira, 5 de maio de 2009

Coisas de que gosto...

Fins de tarde assim...





Onde reina a tranquilidade.
Onde me sento numa esplanada, na companhia de um livro e de um sumo natural.
Onde deixo que a calma tome conta do meu espírito.
Onde o som do mar me embala.
Onde o frenesim cessa, dando lugar à lassidão.

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Pormenores - O inicio?!

Rita caminha até à beira de um rochedo. Senta-se no chão e descalça-se.
Tomás observa-a e caminha lentamente até ela, tentando não a assustar, pois assustado está ele com a simples perspectiva do que ela possa fazer.

Calma e tranquila ela fecha os olhos, relaxando ao som das ondas do mar... Mas ouve passos atrás de si e vira-se. Depara-se com um olhar terno e interrogativo. O seu coração acelera, mas serena ao mesmo tempo. Enquanto se levanta, adopta uma postura defensiva e alerta.

- Sim?! - Pergunta Rita.
- Desculpe, não a queria assustar, mas não podia ir-me embora sem perceber se precisava de ajuda.

Rita sorri. "O sorriso mais terno e sincero... o mais bonito que me lembro." - Pensa Tomás - "Até os olhos sorriem!"

- Sim. Quer dizer... não! - Rita cora com o embaraço e baixa o seu olhar para os pés descalços. - Eu estou bem. Vim parar aqui por acaso, e aproveitei para descomprimir.

Desta vez é Tomás que sorri. Os olhos esverdeados tomam uma cor viva em contraste com a pele morena.
- Fico mais descansado. Assim sendo, deixo-a a sós. Nota-se que precisa. - Começa a afastar-se admirando o mar, mas não o vendo.

Tem apenas uma imagem na sua mente: o sorriso e olhar envergonhado, daquela bela mulher.

sábado, 2 de maio de 2009